Contra o Racismo: Uma dose empatia?

Deroní Mendes - O combate ao racismo é uma luta continua, longa e lenta, pois trata-se da desconstrução de um comportamento que foi e continua sendo transmitido de pai para filho a mais de cinco (5) séculos. Alguns repetem comportamentos racistas “automaticamente”, nunca refletiram a respeito do significado. Ou seja, nunca se deram conta do quão racistas estão sendo. 
   
Nossa arma mais eficaz arma contra o racismo são: empoderamento e empatia, porque, denunciar o racismo as autoridades competentes, não é nada fácil. Se você não é famoso, rico, corre um sério risco de ser ridicularizado e até humilhado pela autoridade policial. Ao sentir desrespeitado e desacreditado, você pode acabar se exaltando e ser preso por desacato a autoridade. Ou seja, infelizmente, dificilmente o agressor será indiciado ou preso.

Talvez, poucos concordem, porém, acredito que combater o racismo na base do “toma lá dá cá”, no “bate – boca” ou outras atitudes do gênero tem se mostrado uma estratégia ineficaz. Precisamos desconstruir o racismo com argumentos reais e fatos, daí a necessidade eminente do nosso empoderamento. Porém, empoderamento é muito mais que auto-aceitação. Envolve apropriação de informação e conhecimento.  Precisamos nos apropriar da nossa história e da nossa cultura. 

Como qualquer preconceito, a atitude racista é resultado do desconhecimento, medo do diferente, etnocentrismo:  Resumindo: Ignorância. Então, devolver na mesma moeda, nos torna igual, e não diminui necessariamente, o racismo que existe em nossa sociedade e dificilmente fará com o racista reflita e reconheça que sua atitude é preconceituosa e racista.

A duras apenas, a vida tem me mostrado que o combate ao racismo, também nos exige uma tal: “empatia”, aquela difícil habilidade psicológica de olhar fora de nós mesmo, na tentativa de enxergar compreender sentimentos e emoções sob o ponto de vista da outra pessoa (nesse caso, o racista (in)consciente). Porém, ao mesmo tempo, isentando-se ao máximo no nosso ponto de vista individual. 

 É verdade que  a atitude racista nos desestabiliza. Nos machuca, e por vezes nos deixa sem chão, por isso, demonstrar empatia ao racista as vezes é uma tarefa praticamente impossível. Mas precisamos exercitá-la. Nesse sentido, tenho me esforçado e venho exercitando essa empatia para lidar com atitudes racistas bem frequentes, e o resultado é quase sempre um pedido de desculpa da outra parte acompanhado de um "nunca tinha pensado por esse lado" ou nunca havia analisado por essa perspectiva. Preciso rever meus conceitos".  

Queremos uma sociedade mais justa, sem racismo. Para tanto, é fato que precisamos que racistas praticantes  e simpatizantes revejam e mudem seus comportamentos e conceitos a respeito de nós , negros/as, mas nós também precisamos rever e inovar nossa estratégia de enfrentamento.

Share:

0 comentários