SOBRE OS TEMPOS DA FACULDADE... parte I

Atendendo a sugestão do meu amigo e ex-colega de trabalho Maurício Ferreira Mendes (apesar do Mendes não somos parentes) resolvi rascunhar um post sobre o tempo da faculdade. Na verdade ele havia sugerido de uma época específica, o tempo em que eu o irmão dele, Mauro éramos bolsista de um projeto de iniciação científica da UNEMAT (ah, sim só prá confirmar prá quem não sabe, mas já suspeita, é isso mesmo UNEMAT significa Universidade do Estado de Mato Grosso).

Olha Maurício na verdade, ainda não será neste post que vou discorrer sobre os (dês) aprendizados no como bolsista de iniciação científica.
É que não me lembrei de nada muito específico... Sabe como é, 4 anos de universidade é muito tempo, muita coisa acontece: São tantos professores, colegas, aulas a campo, seminários, cursos, estágios e é claro festas, buteco, etc. Como não vou não vou discorrer sobre todas essas coisas, pois levaria provavelmente mais 4 anos. E tudo isso aliado a falta de aptidão para escrita levaria mais com certeza.

Então este post é “meio” sobre o impacto da universidade na vida da agente. E não posso deixar de dizer que os maiores e melhores impactos desse tempo foram os que vivenciados fora dela (to falando meus, viu). Sim, porque vejo a universidade com que lugar que a gente sonha e tem muita vontade de entrar.
Opa, corrigindo, na verdade quase todo mundo, conheço pessoas que não tem a mínima vontade de entrar. Porém, poucos conseguem e quando conseguimos, ficamos contando a hora de sair com aquele: “Não vejo a hora de me formar” ou “não vejo a hora de entrar de férias” e quando saímos ficamos lamentando: Nossa que saudade do tempo da faculdade,...

Sabem que só quando eu saí, foi que entendi que (ao menos no meu caso) a saudades não é necessariamente da faculdade, mas dos momentos proporcionado por ela ao fazer parte dela, e acreditem, em sua maioria, são momentos fora da sala de aula.
Hummm, pensaram bobagem, né? Calma explico: eu por exemplo, talvez por fazer geografia, adorava as aulas de campo sempre se voltava com bons aprendizados, história e fotos (muitas destas fotos do blog são dessa época, diga-se de passagem) para se lembrar.

Ops....continuo em outro post sobre esse assunto. È que ele já ta um pouco longo e também tá na hora do rango, e se me atrasar muito não acho mais nada lá no “buteco” onde como... Sabem o que é? Como fora porque é muito chato cozinhar e comer sozinha...Então volto em outro blog com mais comentários sobre este assunto.

Deroní Mendes

Share:

3 comentários

  1. Faculdade é realmente um tempo muito rico. A gente estabelece verdadeiras amizades e boas experiências. Tive poucas aulas de campo mas gostei de algumas... A que fui pra Cáceres cobrir o Festival de Pesca, por exemplo. Cáceres... parece que essa cidade sempre teve uma ligação especial comigo...

    Ei, mas que história é essa de almoçar sozinha????

    ResponderExcluir
  2. Ei!!!!!!!!

    Calma, explico...Quando tinha postado esse texto você ainda não havia me convidado para o almoço, que aliás foi muito bom.

    Sobre a faculdade, você tem razão , é mesmo uma fase marcante na vida da gente, (mesmo não sendo a FASE -MT.

    Olha, Cáceres é sem dúvida uma cidade muiito interessante, e olha que você nem precisou você comer farofa de banana, Maria Isabel ou e cabeça de pacu...(rsrsrsr).

    ResponderExcluir
  3. Oi, minha linda. To relendo todos os seus posts.... Conta mais dos tempos da facu, conta...

    ResponderExcluir